Os norte-americanos Alan Whitman e Andrew Masters ficaram ricos de uma forma pouco provável, desenvolveram um líquido que cheira como uma bunda suja, na verdade, muito suja.

A história começou há mais de uma década, quando Whitman ganhou de seus pais um kit de química, e ao misturar os elementos ele criou o cheiro insuportável. Ele usou então para atrapalhar uma aula de inglês de um professor que ele não gostava muito, e descobriu a “bomba” que tinha em mãos.

Apesar do sucesso com os colegas de escola, Whitman não mexeu mais com o invento até o dia que percebeu que estava prestes a perder seu emprego em uma fábrica de caminhões, por divergências com seus superiores. Ele então chamou Masters, seu colega na fábrica, para pregarem uma peça em seus colegas.

Os dois despejaram o líquido ao lado do microondas da sala de descanso da fábrica e ficaram observando a reação dos chefes. O cheiro era tão insuportável que o pessoal da empresa tentou de tudo para eliminá-lo, sem ao mesmo saber de onde vinha. Eles trocaram o bebedouro, substituíram o micro-ondas, tiraram o tapete, e até mesmo fecharam os banheiros, mas nada funcionou.




A dupla então saiu da empresa, e junto suas economias para dar início a produção em escala industrial do líquido, tendo em mente que diversas pessoas gostariam de prega peças semelhantes em colegas, amigos e familiares. Obviamente as esposas deles o chamaram de maluco, sem imaginar o sucesso que teriam com a “Bunda Líquida”, como eles batizaram o produto.

Eles terceirizaram a produção da “Bunda Líquida” com uma empresa da Carolina do Norte, e hoje acompanham tudo de casa, aparecendo vez ou outra na indústria apenas para assegurar a “qualidade” do líquido fedorento.




Hoje, passam a maior parte do tempo apenas recebendo os lucros da empreitada, que sequer gera custos com marketing e publicidade, tamanho o sucesso da “Bunda Líquida”. Cada tubo de spray com o liquido fedorento custa atualmente US$ 9,90 (cerca de 33 reais).